sábado, 30 de junho de 2007

O amor doloroso

Neste sábado de tarde há quem esteja na praia, por estar sol, há quem esteja em casa por não suportar os outros, há quem não esteja sequer cá, por passá-la, à tarde de sol e de praia, na escuridão indiferente do dormir. Eu estive com os «Laços de Família» da Clarice Lispector, por ter sido assim que a conheci e hoje senti saudades dela. São contos. E como nunca leio livros de contos a começar pelo princípio, não me recordo qual o primeiro com que me cruzei. Lembro-me sim da interminável viagem aérea em que o livro me fez companhia, o interior do avião e sua eterna noite artificial.
Hoje tenho-o aqui e à frase «não, não se podia dizer que amava sua mãe. Sua mãe lhe doía, era isso». Mais logo, tarde porque é quase Verão, ir-se-á o sol e regressarão os banhistas. Eu acordarei para a noite da insónia, com saudades da vida por viver. Clarice Lispector viveu a vida sublimando em literatura a culpa de o seu parto ter sido a causa da paralisia da mãe. O amor dói quando é feliz, torna-se doloroso quando se ama tristemente.

5 comentários:

Anônimo disse...

A vantagem dos contos é poder-se dar azo à anarquia. Em casa por estar Sol, mas também por estar vento, e talvez pelos outros.
Gostei de saber acerca de Lispector. Surpreendida pela "culpa".

l_blue disse...

Espero que continue este blog maravilloso. Mi pasión por Clarice es inconmensurable. Gracias de todo corazón. (Aunque entienda con dificultad el portugues)

Fran disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fran disse...

das minhas escritoras preferidas, sabe desenterrar a dor para no lugar dela nascerem quaisquer coisas com sabor a muito

isabel victor disse...

Gostei de ler ...

O amor doi, mas o (não amor) é nada

...

Clarice Lispector é tudo !

(tb não conhecia essa " culpa ")