domingo, 25 de novembro de 2007

O ar constrangido


Sobre ela escreveu Affonso Romano de Santtana, no livro A Sedução das Palavras, capítulo Sete anos sem Clarice, e que uma alma amiga me enviou:
«Gostava de mistérios, fazia cursos de esoterismo e tornou-se cliente da minha cartomante de confiança, no Méier. Mas foi na Colombia que participou de um congresso de bruxarias, representando o Brasil. Seu sortilégio foi ler o sofisticadíssimo conto O Ovo. E ante o pasmo da audiência, solenemente, concluiu:- Não entenderam? Nem eu».
Obrigado Júlia pela lembrança. Há no ovo o princípio de todos os primórdios, a lógica de todas as probabilidades. Leio, hoje, domingo de manhã, sem tempo quase para viver: «O ovo é o grande sacrifício da galinha. O ovo é a cruz que a galinha carrega na vida. O ovo é o sonho inatingível da galinha. A galinha ama o ovo. Ela não sabe que existe o ovo. Se soubesse que tem em si mesma o ovo, perderia o estado de galinha. Ser galinha é a sobrevivência da galinha. Sobreviver é a salvação. Pois parece que viver não existe. Viver leva a morte. Então o que a galinha faz é estar permanentemente sobrevivendo. Sobreviver chama-se manter luta contra a vida que é mortal. Ser galinha é isso. A galinha tem o ar constrangido».

Um comentário: